sábado, 1 de junho de 2013

carta



23 de dezembro



t.,


avistei um homem perdido. seus passos sem território eram os meus. penso nos filhos que morrem, a primeira vez, no sangue das mães. o cheiro de hortênsias os cobre e eu o sinto quando eles passam por nós. como em mim. nestes dias em que desconheço para que servem tantas coisas, a lentidão ocupa a mobília e a luz que estende os vitrais pelo interior da casa. faz frio e só as crianças vivem todas as estações querendo ir para fora de suas casas. seguem o terral como a um olho furioso.

  
c.








m
fotografia    aëla labbé
palavras    luciana marinho

12 comentários:

  1. Los niños saben lo que los mayores hemos olvidado. Los niños y los animales saben lo que el hombre y la mujer "cultivados" han perdido pero, en ocasiones, el hombre y la mujer saben conservar al niño...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, as crianças são um jeito de ser a Vida. beijos, querida.

      * grata pela presença e surpresa do comentário tão próximo à postagem :)

      Excluir
  2. Leio, fruo, deixo que as palavras me toquem. Sinto-as perto, entendo-me bem com elas...
    Sempre bem, Luciana!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. escuto tuas palavras com o coração, rio adentro. grata, AC. beijinho.

      Excluir
  3. Que perspicaz forma de escrever uma carta para si mesmo...

    Abç, Lu!

    ResponderExcluir
  4. Não consigo pensar num único homem que não esteja perdido...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu sim.
      pessoas que não estão perdidas de sua morada nos sentidos (da vida).

      Excluir
  5. Respostas
    1. bem vindo, flip, você e seu comentário :) abraços.

      Excluir
  6. Intenso e BELO BELO!

    Saudades Abissaissssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss

    bzuz

    viva la vida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rs...! se ri e rê dizem que há beleza,
      eu fico encantamento.

      viva la vida, sim :)

      beijos!!

      Excluir

Partilha

Nome

E-mail *

Mensagem *