sexta-feira, 13 de abril de 2012

"Alma Crescendo"


Era uma força oceânica nas manhãs tão cedo, pensou, tocando o olho d’água. As sementes estavam exaustas. Sentiu suor entre os dedos. Pensou em seu medo de não ser abrigo àquela hora em que tudo pode estar por arrebentar. Desmedia o esforço para levar as sementes de um canto a outro dos continentes, habitando o mistério que encadeia os mundos vividos. Um passo em falso dentro das estações poderia preservar o inverno no peito das papoulas. O inverno fazia-o sentar à beira do tempo, prestes a cair no regaço das esferas. Porque o inverno traz um sentimento de orfandade, uma brancura que respinga na íris, um respirar o queimor do frio... As asas se desfazem na retenção do pulmão e renascem no gesto de sobreviver com a terra. Sobreviver com a terra.



fotografias e palavras   luciana marinho

20 comentários:

  1. Por aqui os caminhos interiores são sempre percorridos em grande profundidade mas sem nunca perderem o contacto com a superfície...
    Gosto sempre, Luciana!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AC, fico grata.
      o máquina lírica só cresce com a tua presença ^^

      beijos!

      Excluir
  2. a ideia de uma alma em expansão é fascinante luciana... " O inverno traz um sentimento de orfandade", quando este nos adentra então...
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, sândrio,

      a idéia da expansão é fascinante, principalmente quando a alma é só uma parte disso.

      abraço!

      Excluir
  3. porque o inverno traz essa sensação de abandono, sim...
    mas há invernos e invernos... preciso registrarque sim.
    e há palavras bonitas, colhidas com zelo....

    cê e seu tremendo bom-gosto, lu.
    sou freguês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. roberto! :)

      penso que o inverno mesmo não traz nadinha, encontra-se com o que já há :)

      beijão! :)

      Excluir
  4. LU ! tão profundo que me assusta . andas revelando nossos interiores . tão teu quanto do mundo . beijo, FÊ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bom mesmo é ver fefinho se revelando por aqui :) amo.
      beijo de lu.

      Excluir
  5. Quiero tocar el ojo del agua y dejar que parta el invierno y sentir la calidez del agua, entre los dedos, y, mientras, sentiré la nieve y el hielo y pensaré en ese ojo de agua, que anhelo. Besos inmensos, Lu y mil añiles. Bellas palabras, bella la emoción que destilas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. querida índigo,

      que bom apareceste!
      estava eu sentindo tua ausência no "índigo horizonte" e por aqui =D

      besos!

      Excluir
  6. Te ler é aconchegar-se às flores e frutos e a vida perceber.

    bzu del guerdo rick

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rick dos campos dos girassóis gigantes, grata.

      beijos :)

      Excluir
  7. Não conhecia essa sua faceta. Gostei!

    Aproveitando, deixo aqui um vídeo para xs leitorxs do espaço:
    http://vimeo.com/40411264

    ResponderExcluir
  8. olá, fred!

    que faceta? rs
    vou espiar o vídeo.

    beijos
    =)

    ResponderExcluir
  9. Nas tuas mãos sempre germinam as sementes da poesia.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. grata, sônia.
      sou admiradora de tua poesia transbordando em belas fotografias, versos... beijos!

      Excluir
  10. Mi querida Luciana... los días y los anhelos y Tagoreh trazándonos con sus sueños. Besos inmensos, mi Lu. Y mis cariños y afectos, a pleno pulmón y corazón de plumas y acero.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. índigo,

      sempre bom encontrar tua
      sensibilidade por aqui :)

      um grande abraço!

      Excluir

Partilha

Nome

E-mail *

Mensagem *