domingo, 18 de setembro de 2011

Desencanto

A VIDA ficou dobrada
dentro do livro de cabeceira
como folha sem raiz.
O tempo apagou os meninos
que não puderam crescer
e se espalharam em sótãos e porões
se empoeiraram de luz.
Um horizonte de céus rompidos
destramou as linhas da mão.

.
palavras..luciana marinho
fotografia..
b.berenika

40 comentários:

  1. o que ja(z) não se toca. despertencido na memória, no desejo de ser. quanto foi não se sabe. céus rompidos. que horizontes? sobem pro peito. no coração aceso, a mortalha. o horizonte se dobra para arfar dentro do peito empoeirado. a vida em folhas sem raiz. o tempo destramando, diluindo, desacontecendo. um lirismo dolorido esse, mas que traduz o vazio, a espera. mortal.

    ResponderExcluir
  2. querida roberta,

    vislumbrei finalizar o texto com uma imagem de correspondência entre o céu rompido e as linhas da mão, conseqüentemente, rompidas. mas a imagem não veio. lendo teu belíssimo comentário, a palavra "destramando" me deu esse fim... levei-a ao texto.

    grata pela presença luminosa e
    pelo comentário tão poético!

    um abraço!

    ResponderExcluir
  3. E alguém disse que a morte é um encantamento... A vida, então, um desencanto?

    "Fecha o meu livro, se por agora
    Não tens motivo nenhum de canto."

    Belo poema.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Hay una tristeza, una melancolía suavemente lírica en este "desencanto". Siento una desesperanza que va rezumando dolor por cielos rotos y horizontes helados. A ese suave desencanto le tomaría suavemente las manos para borrar las líneas ya escritas en su palma y escribir líneas de risas y de colores y de corazones de luz y raíces con hojas nuevas. Eso haría para ti, Luciana, o para ese desencanto que brota como un árbol en esa cama, eso haría yo sí, Lu, si yo pudiera...

    ResponderExcluir
  5. marcantonio,

    "E nestes versos de angústia rouca,
    Assim dos lábios a vida corre,
    Deixando um acre sabor na boca."

    o bandeira que me encanta,
    sempre!

    abraço!

    ResponderExcluir
  6. índigo,

    sigo as linhas dos risos e das cores e dos corações luminosos e das raízes com folhas novas que florescem em teu coração, no coração da esperança.

    um grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. verônica,

    bem vinda!
    grata pela visita e pelo comentário.

    beijoca!

    ResponderExcluir
  8. Um tempo de desencanto doendo dentro do peito.

    bjs

    ResponderExcluir
  9. KIBON VOLTAR A TE LER, ACERCA DAS NUACES DA POESIA DE VIDA TUA,BEM SEI QUE OCUPADINHA ESTÁS PARA VISITAR ESSE ESSE ESCRIBA VELHO E JÁ JÁ QUASE NA IDADE QUARTA.
    MESMO ASSIM, A SAUDADE ME DEVORA,DOCÊ E DE SEUS ESCRITOS,MESMO QUANDO ENFEZADINHA

    BZIX GIRASSOLICOS EM TESTA ESSA LINDA E PENSANTE TUA

    EL RICKA ABANDONADO TOTALMENTE ENTRE MEUS GIRASSOIS,SEMPRE FALTANDO O TEU

    ResponderExcluir
  10. Até mesmo as tuas palavras de desencanto são encantadoras.

    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  11. sônia,

    sem o desencanto, como conhecer o tempo do encanto?

    abraço, querida poeta.

    ResponderExcluir
  12. girassol,


    sigamos,
    que o sol nasce primeiro por dentro
    para sermos claros por fora.


    beijinho.

    ResponderExcluir
  13. Lindíssimo, Luciana!
    Bravo, minha querida!

    Quero agradecê-la pelas palavras deixadas no meu Ad Litteram. Quis responder lá mesmo, conforme conseguira antes, mas não me foi possível: estou bloqueada novamente.Pena...

    Deixo-lhe forte abraço e a promessa de vir sempre que o blogger me permitir...

    ResponderExcluir
  14. guardo com muito carinho um comentário vindo da poesia que é zélia...



    ...beijo, querida.

    ResponderExcluir
  15. só a imagem das linhas do destino sendo desembaraçadas já merecia um quadra na parede da sala.

    mas o poema é todo uma beleza.
    e um estranahamento.

    beijao do

    r.

    ResponderExcluir
  16. o desencanto vira poesia nesse lindo espaço. obrigada pela terna beleza que aqui se encontra, sempre.
    beijos.

    ResponderExcluir
  17. roberto,

    quase que essa imagem fica de fora, se não fosse o "destramar" de roberta! =)

    prazer recebê-lo por aqui.

    beijinho..

    ResponderExcluir
  18. drica,

    grata pela beleza de teu comentário.
    bem vinda!

    beijinho.

    ResponderExcluir
  19. Luciana,

    que escrita telúrica com raizes no real pungente!

    Não sei se foram os meninos esquecidos/impedidos de crescer ou as linhas das mãos desentrelinhadas que me gelaram o estômago.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  20. Eu também quero me empoeirar de luz.

    ResponderExcluir
  21. palavras, tristes, Lu, foi o que senti. senti algo de interrompido, de podado, de deitado fora.
    mas vc, como sua leveza e delicadeza, consegue dar a tristeza um estado de graça, um batismo melancólico.

    beijo, querida.

    ResponderExcluir
  22. Sempre bons poemas aqui neste espaço, Lu. Beijos

    ResponderExcluir
  23. NÃO ADIANTOU MEU POÉTICO E APAIXONADO COMENTÁRIO,NÃO ADIANTOU TE ADOÇAR E MUI MENOS,BRAÇADAS DE GIRASSOIS TE LEVAR,ZANGADINHA DE MUCHOCHO E TUDO ATÉ AGORA ESTÁS,SNIFFFFFFFFFFFFFFFFFF

    EL RICLA TE LOVE,PESSOA QUERIDA

    VIVA LA VIDA

    ResponderExcluir
  24. I DE NOME MUTASTES O MIO!

    GIRASSOL!

    TE LOVE PESSOA

    MUI E MUI!

    VIVA LA VIE

    TULIPA BORDEAUX

    ResponderExcluir
  25. DIAS TODOS, ME LEMBRO DOCÊ AMIGA!

    VIVA LA VIDA!

    ResponderExcluir
  26. O olhar do poeta não se pode refugiar na sua torre de marfim. E, assim sendo, é impossível não constatar que os horizontes já não expandem, antes oprimem pela circunscrição que fazem da vida.
    Luciana, a sua sensibilidade é ímpar!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  27. wilson,

    grata pela presença, por tão bonito comentário!

    bem vindo :)

    um abraço!

    ResponderExcluir
  28. fred,

    lembro-me sempre que nosso corpo são "partículas coloridas".. assim:

    cor


    daí veio a imagem para "desencanto".

    grande abraço!

    ResponderExcluir
  29. e você, natália, sempre

    a l a r g a n d o

    com muita beleza o que escrevo!

    grata!!

    beijoca.

    ResponderExcluir
  30. lau,

    grata pela presença.
    esse comentário vindo de você
    é um elogio e tanto para mim.

    beijo.

    ResponderExcluir
  31. borboleto girassólico,

    só agora estou respondendo os comentários postados em 5 de outubro! estou fora de órbita, meu querido.

    um grande abraço
    para ti!

    ResponderExcluir
  32. AC,

    a minha sensibilidade se alegra quando se reconhece em "interioridades".

    o encantamento é mútuo.

    beijos.

    ResponderExcluir
  33. que lindo poema amei!

    se puder visitem meu blog: wwwesquadraodoleao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  34. LUZ EM ENCANTO E AMIZADE É PERCEBER VOCE EM CAMPOS NOSSOS ,MESMO FUERA DE ÓRBITA!

    BZUZ FRATERNOS

    RE E RI!

    VIVA LA VIE

    ResponderExcluir
  35. bem vinda, alzira!
    vamos nos visitando...

    um abraço!

    ResponderExcluir
  36. se perderam na linha do horizonte...


    Luciana,
    obrigada pela visita :)
    és bem vinda ao meu espaço.

    beijos

    ResponderExcluir
  37. ricardo girassol e felicidade clandestina,

    obrigada pela volta e pelos comentários afetuosos.

    bons dias para vocês!

    abraço!

    ResponderExcluir

Partilha

Nome

E-mail *

Mensagem *