domingo, 22 de março de 2009

Desnudo

Erguendo as raízes do mar

e o tempo com sua cordilheira de espinhos,

ele deixa-se todo em corais queimando

sob céu cravejado de lírios.


Colagem e texto Luciana Marinho
.

12 comentários:

  1. Teu pequeno-grande poema demonstra muito bem a força das palavras: produz sensações, a partir da tessitura das letras, sentidos e sons, que evocam imagens, e nos embalam, ou provocam intrigantes sinestesias... Abraços alados, linda amiga Luciana!

    ResponderExcluir
  2. Lu-Luz!!

    Já to disse o quanto és imensamente lírica??nã??

    Ratifico, ora pois!!e Celebro-te!!

    Deixo-te um aroma doce de cores azuis, amiga.

    Saudades d'alem-a(mar).

    ResponderExcluir
  3. quanta delicadeza, lu. . .
    eh como se as palavras fossem petalas...
    lirismo em estado absoluto. lindo!
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Querida LuciAna! Tomei a liberdade de publicar algo teu lá em meu blog. Fico feliz em partilhar escritos deliciosos e delicados como os teus com outras pessoas. Aproveito para desejar um ótimo fim de semana, doce e feliz, inspirado, luminoso. Beijinhos alados.

    ResponderExcluir
  5. Belo poema, Luciana.

    sua poesia é lirismo apurado em fino olho d'água que revela a sensibilidade imagística de sua criadora que materializa imagens ligadas às coisas, aos estados e às sensações humanas.

    Destaco essas qualidades, também, no poema abaixo:

    "Havia a colina. O moinho.
    A chuva fazendo da tarde uma ilha.
    Os passos dentro das folhas.
    E o ar amparando a idade das crianças.
    Havia a bússola. O vento.
    A cerca guiando os animais ao peito do homem.
    A luz ecoando magnólias no fluir dos rios.
    E o tempo recostado nas sementes.
    Havia o olho d'água. O ventre".

    Havia/há poesia. Belíssimo!

    Parabéns pelo todo de seu espaço. Virei mais vezes!

    Abraços,
    H.F.

    ResponderExcluir
  6. que boniteza, luciana!

    Bel

    ResponderExcluir
  7. não me desavesso muito na poesia-poema, com bem o sabes fazer, máquina lúbrica d linhas líricas!

    mas convito-te a preencher as páginas-palimpsestos d minhas reles resenhas.

    adentra-me, desamedrontada, em meu labirintos d portas.

    espero-te sempre aki. como aí tb.

    ResponderExcluir
  8. que bela imagem líricas construíste...

    ResponderExcluir
  9. Que suerte, que mis puentes lleguen allí donde yo no puedo llegar , más que naa por la distancia, me gusta mucho tu espacio , y encuentro muchas afiniddades, por eso voy apasearlo despacio.
    un abrazo

    ResponderExcluir
  10. oba!
    coisas novas por aqui :D

    "corais queimando"
    gosto, gosto disso.

    aliás, gosto sempre de vir aqui :D


    beijos!

    ResponderExcluir

Partilha

Nome

E-mail *

Mensagem *