sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

restante

 
 
 

sobretudo as mãos lânguidas, impermanentes, das águas
refinando o sal na mancha esvaziada do corpo.
magnólia expulsa em parto:
tudo agora está dentro e cai, seiva e ramagens, pela vulva vegetal.
o silêncio se debate
                                   ossos e músculos
perdem seu peso e se encharcam de ar-
fante orfandade.
o sexo corre pelas mãos, das artérias se desprendem rosas.
uma atmosfera de inocência e de carne se rompe
em luz esgotada.



fotografia    elena kalis
palavras    luciana marinho

20 comentários:

  1. Do que se desprende de dentro do corpo, nem o corpo segura...

    Muito belo, Lu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. grata, larinha! que bom encontrá-la por aqui.. cada vez mais sou fã de tua escrita. beijos.

      Excluir
  2. Con la avidez del agua, con la prontitud del fuego, con el aire que se hace viento y rasga las ramas adentro, con la tierra que late y se deshace, asi te leo y te veo, fluyendo.

    Bello, bello, Lu. Intenso. Muy intenso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nossa, índigo, que bonito... gratíssima! besos!

      Excluir
  3. lânguida é uma palavra tão legal... ficou tudo tão legal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...de forma que legal é também vê-lo aqui :) beijoca, fred!

      Excluir
  4. por onde eu tenho andado, que não tenho te lido/visto...???
    ô, lu... que sacanagem!
    sinto até o perfume das rosas.

    isto aqui, sempre, tão bonito.
    cê sabe que eu sou fã.

    beijão,
    r.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rs também eu desapareço tanto. mas bacana é a alegria da presença. beijos, querido.

      Excluir
  5. Poesia visceral, como um parto.

    Não poderia ser diferente, fizeste nascer de dentro de ti. Admiro-te!

    Um abraço e uma semana maravilhosa para você, Lu Mar.

    ResponderExcluir
  6. Lu,
    aproveitando o ensejo, deixo um abraço natalino para você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que o natal e a passagem de ano sejam fabulosos para você e sua família, will! abraços!

      Excluir
  7. Da escrita de Lu, desprendem-se pedaços de poesia e parcelas de luz, de seiva, de sua suavidade e delicadeza. Tudo lindo por aqui, querida. Beijinhos alados e votos de um 2013 repleto de poéticas pulsações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. do sentimento de ana, desprendem-se girassóis gigantes, abrigos, cintilâncias que fazem a vida e farão 2013 uma fabulosa vibração do Amor. beijos, querida!

      Excluir
  8. Muito profundo o seu texto, até doi.
    Uma rosa para a orfandade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bem vinda, hanaé,

      grata por mergulhar por aqui..

      abraço!

      Excluir
  9. água viva, lu...
    esta é a sensação que tenho, vendo foto, lendo o poema...

    chega a arder.

    beijos,
    r.

    ResponderExcluir
  10. água viva é um dos livros de clarice lispector de que mais gosto :)
    palavras serem sensações... o que mais deseja quem escreve?

    grata, roberto!
    beijo.

    ResponderExcluir

Partilha

Nome

E-mail *

Mensagem *