domingo, 18 de novembro de 2012

sua terra




é assombroso tocar os ossos
destilar do sangue os pavores

ocupar a mão com os restos da estrela
suster a terra com os pés cada vez mais reclusos
envergar a luz nos olhos crespos das dracenas

                         acontecer-se onde a água vivida,
                         sanguínea,
                         é recanto para a mão ser sobrevivente corpo.



palavras     luciana marinho
fotografia     tarkovsky

10 comentários:

  1. É assombroso como a poesia consegue ir tão além das palavras! :-)

    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...e como é bom as palavras trazerem você aqui, tânia.
      grata!

      beijos

      Excluir
  2. [na terra,

    onde todas as águas placentas
    se cruzam com a palavra

    na margem da palavra.]

    um imenso abraço, Luciana

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  3. No sé. Discúlpame si hoy no sé qué decir. Siento mucho dolor hoy en la foto y en las letras. Te abrazo con el corazón, Luciana, y con alas suaves y transparentes de libélula.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. também não sei como te responder, a não ser agradecendo o abraço e não esquecendo fernando pessoa quando diz que o poeta é um fingidor. esse texto foi publicado mais por causa dos olhos de um menino, do que pelo arranjo das palavras..

      beijo grande
      :)

      Excluir
    2. Abraza al niño. Aunque seguro que tus ojos y tus brazos ya lo hicieron. Besos, Lu.

      Excluir
  4. Olá, como é prazeroso ler seus textos! Você poderia nos dar um presente; escrever livros! Se é que já não escreveu. Fico aguardando.
    Um abraço e tenha bons dias!

    ResponderExcluir
  5. ah.. obrigada, querida!
    grande abraço :)

    ResponderExcluir

Partilha

Nome

E-mail *

Mensagem *