sábado, 19 de abril de 2008

Olho d'água

.
Havia a colina. O moinho.
A chuva fazendo da tarde uma ilha.
Os passos dentro das folhas.
E o ar amparando a idade das crianças.
Havia a bússola. O vento.
A cerca guiando os animais ao peito do homem.
A luz ecoando magnólias no fluir dos rios.
E o tempo recostado nas sementes.
Havia o olho d'água. O ventre.
.
.
Fotografia e texto Luciana Marinho
.

22 comentários:

  1. Difícil dizer o que toca mais: se a foto (a mim tão íntima), se o poema. Recordo-me as brincadeiras na linha do trem de Mirandiba, as conversas de quem tem um mundo a desbravar e acredita que ele irá se entregar. Será que transpusemos a cerca? Fomos além.
    Belo, Luquinha!

    ResponderExcluir
  2. Que belo Lu, a fotografia o poema, a união perfeita.
    A beleza presente causa efeito de deslumbramento, e a junção ofusca a vista pela luz presente no que se vê.
    Só uma pessoa com sensibilidade pode propocionar a nós esta sublime perfeição, e essa pessoa é: Você.
    Estou realmente encantada!
    Um beijo grande, Lu!!!

    ResponderExcluir
  3. Lu, eu tinha que voltar e descrever o que senti ao vê hoje pela manhã Lumiar!

    SUBLIME
    nobre
    muito elevado na sua beleza
    perfeitíssima
    excelente
    grandiosa
    tem poder de encanto
    majestosa
    encantadora
    magnífica
    esplêndida
    O mais alto grau de perfeição
    Onde se chega a perfeição do belo
    E o que há de mais elevado nos sentimentos: Sublime.

    Um grande beijo doce menina!

    ResponderExcluir
  4. E no lumiar das palavras está... Luciana!

    Sintonia perfeita entre o captar da emoção, a imagem e palavras.

    Beijo, Lu!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Eres tu , poente belo, y que a todos 'candeia'.
    Casi nada es caso todo alla.
    Una aplitud de sentidos, de querencias y algo más.
    Eres tu, poente belo.

    ResponderExcluir
  7. bucólico e levíssimo, como um pingo de chuva :)


    beijos!

    ResponderExcluir
  8. o ar que ampara, das crianças, a idade...quanta fala por aqui faz.
    no ventre...no ventre.

    ResponderExcluir
  9. lembrei-me imediatamente de uma casa em que eu morei aos 9 anos: tinha um manguezal do outro lado da rua e muitas plantas no quintal. eu acordava cedinho e ia pra o meio das plantas olhar suas cores e acompanhar o trabalho das formigas. antes de tudo, cumprimentava primeiro as urtigas. me disseram que elas não deixariam suas folhas queimarem a nossa pele se fossem tratadas com deferência. a rua era de terra. quando a chuva parava, era uma festa de crianças correndo atrás das tanajuras. eu tinha nojo de comer, mas adorava a caçada.

    choveu ontem. caminhei na chuva como eu fazia aos 9 anos.

    e tanta coisa mais eu poderia dizer sob o efeito do toque desse teu poema...

    aliás, uma das coisas mais belas que já li em toda minha vida.

    ResponderExcluir
  10. lindo!
    lindo o horizonte visto daqui...
    um xêro

    ResponderExcluir
  11. ...E havia os olhos da alma: para aspirar os perfumes e seivas da vida... para iluminar os passos dentro das folhas... e as flores perdidas nas trilhas...

    Sempre tão bom (re)pousar por aqui, Luminosa amiga!

    Beijos alados, em tons outonais.

    ResponderExcluir
  12. Beijos alados translúcidos, Lulinda.

    ResponderExcluir
  13. Falar desse caminho ao peito do homem é lindo.
    Sempre bom vir aqui!

    ResponderExcluir
  14. Havia? Deixou saudade.

    Beijos de Sol e de Lua.

    ResponderExcluir
  15. LU | poetisa-lu z | quantas possibilidades de vôo nesses textos | céu róseo : olho d'água | sinto cheiros, ouço notas... | em LU (a palavraimagembuscaalém) em nós | lin lin do !

    ResponderExcluir
  16. A beleza enxuta da cena me lembra outros motes, montes

    (...)Vem,
    Tu moinho
    Espreme minha cana
    Bebe meu sumo
    Espalha sobre a terra
    E faz nascer usinas

    Que de mim quero o pó
    Fecundante do mundo
    E encher outros prumos
    de novas paisagens

    (Michel Costa)

    PS: Vi teu blog fuçando o de Lau, rsrsrs
    Está de Parabéns

    ResponderExcluir
  17. Lu,

    Nasceriam pássaros e flores do olhar e de tuas palavras. Cresceriam árvores nas pontas dos dedos. Isto é o que penso.Mas já era tudo azul à sua volta. Restava apenas o ventre, onde se espera não adormecer sozinha.

    beijos e admiração, querida.

    ResponderExcluir
  18. Quando te leio, aprendo. Chega-me uma vontade irresistível de voar. Plainar en tuas palabras, miuda!!

    grande beijo.
    Antzela.

    ResponderExcluir
  19. Um dos textos mais belos e emocionantes, lindíssima arquitetura de palavras e o vivo e reinventado desabrochar de sentidos! Beijos e saudades!
    Ale

    ResponderExcluir

Partilha

Nome

E-mail *

Mensagem *